quinta-feira, 25 de maio de 2017

Me dê

Me dê um pouco de amor.
Ou mesmo um trago de lucidez.
Seja flor, meu bem.
Que eu serei o jardineiro,
para lhe fazer brotar em todo o amanhecer.

Me dê um sorriso,
ou mesmo um giro pelo mundo.
Já enjoei de ficar aqui contando os segundos que não param de passar.
Segura minha mão.
Não me deixa na escuridão.
Quero você e nada mais.

Me dê cá o seu abraço,
o seu cheiro,
a sua concretude.
Tira-me do abstrato.
Cansei de falar comigo mesmo no espelho.
Vem ser comigo o que não posso ser só.
Vem ser nós dois.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Payaso

Eu sou palhaço.
Um sentimento profundo.
Uma gota de riso,
ou de lágrima por uma tristeza passada.

Eu sou palhaço.
Explosão
e silêncio.
Festim
ou uma canção lamuriosa numa madrugada fria.

Eu sou palhaço,
mas isso nem sempre é alegria.
Ser palhaço é quase como viver em uma poesia.
Ora a mente se esvazia.
Ora o coração se completa, quase lhe fazendo voar.


quarta-feira, 17 de maio de 2017

Mares

Cruzei mares de pensamentos.
Naufraguei,
notoriamente,
em alguns,
ao passo que procurava o norte nas estrelas.
Mas eu precisava ver o solo.
Saber que tenho que voar,
mas que tenho que pousar.
Para não subir demais
e me perder no espaço.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Avante

Joguei fora todos os meus discos.
Queimei os papéis.
De passado, não mais.
Avante.
Mesmo que claudicante.
Avante.
Cruzando rios ou montes.
Avante.
Porque não fui ensinado a deixar de sonhar.