terça-feira, 13 de junho de 2017

Arranco

Eu ia falar uma poesia,
que ouvi há pouco.
Mas devo ser louco,
pois esqueci.
Tenho andado claudicante.
Pouca alma.
Meio errante.
Tantos sonhos.
Esperanças no porvir.
Eu não sei se ando ou paro por aqui,
para ver a vida passar.
Para ver se arranco um sorrir.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Não temos

Não temos que ir.
Às vezes ficar,
para vislumbrar o sol se pôr,
enquanto o dia perde a cor,
ao passo que o azul do céu cede para o manto estelar,
talvez seja o melhor a se experimentar.

Ao invés de correr, parar.
Sonhar e concretizar.
Entender a beleza do mundo.
E também de cada respirar.
Para depois seguir.
Cabeça no lugar.
Não se vai a canto nenhum,
se não se sabe para onde rumar.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Pelo quê?

Obrigado pela vida amada.
Obrigado pelo vento e as cores.
Agradeço aos amores.
Ao sol,
E à noite.
Tenho caminhado muito.
Resfolegante.
Sei que do meu destino ainda estou distante,
mas não aquieto o pé,
nem o peito,
pois lá o coração bate,
E de que valem os seres humanos se não tiverem algo pelo que lutar?

terça-feira, 30 de maio de 2017

Resista

Resista.
Ouça o canto dos pássaros, da vida.
Beleza é que não falta no mundo afora.
E é por ela e por nós que estamos aqui para lutar.
Respire, fique na pista.
Teu farol não vai se apagar.
Ainda existem mares para navegar, sorrisos para te fazer voar.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Me dê

Me dê um pouco de amor.
Ou mesmo um trago de lucidez.
Seja flor, meu bem.
Que eu serei o jardineiro,
para lhe fazer brotar em todo o amanhecer.

Me dê um sorriso,
ou mesmo um giro pelo mundo.
Já enjoei de ficar aqui contando os segundos que não param de passar.
Segura minha mão.
Não me deixa na escuridão.
Quero você e nada mais.

Me dê cá o seu abraço,
o seu cheiro,
a sua concretude.
Tira-me do abstrato.
Cansei de falar comigo mesmo no espelho.
Vem ser comigo o que não posso ser só.
Vem ser nós dois.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Payaso

Eu sou palhaço.
Um sentimento profundo.
Uma gota de riso,
ou de lágrima por uma tristeza passada.

Eu sou palhaço.
Explosão
e silêncio.
Festim
ou uma canção lamuriosa numa madrugada fria.

Eu sou palhaço,
mas isso nem sempre é alegria.
Ser palhaço é quase como viver em uma poesia.
Ora a mente se esvazia.
Ora o coração se completa, quase lhe fazendo voar.


quarta-feira, 17 de maio de 2017

Mares

Cruzei mares de pensamentos.
Naufraguei,
notoriamente,
em alguns,
ao passo que procurava o norte nas estrelas.
Mas eu precisava ver o solo.
Saber que tenho que voar,
mas que tenho que pousar.
Para não subir demais
e me perder no espaço.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Avante

Joguei fora todos os meus discos.
Queimei os papéis.
De passado, não mais.
Avante.
Mesmo que claudicante.
Avante.
Cruzando rios ou montes.
Avante.
Porque não fui ensinado a deixar de sonhar.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Desamor

Eu parto corações e sigo.
Rumo ao infinito.
Eu calo orações.
Eu minto.
Apago luzes para me embebedar de solidão.
Sou sombra.
Peso nos ombros.
Alimento-me toda vez que quebro um encanto.
Piso em poesias.
Jogo flores no lixo.
Danço valsa sozinho.
Sem música.
Só choro e vela.



segunda-feira, 24 de abril de 2017

Angústia

Por que o poeta escreve melhor se mergulhar na angústia?
Uma pergunta nada convencional.
Mas plausível.
Risível até.
E a resposta talvez seja de uma simplicidade ímpar.
Sentir a angústia, viver a angústia, é um jeito de se humanizar.
De entender o humano.
De entender o que é.
De saber que a vida pode ser sol,
mas às vezes também pode ser chuva e ventania.

domingo, 9 de abril de 2017

Comida d'alma

Comida para a alma?
Poesia?
Sonhos, fantasia.
Jeito leve de viver.
Voar no sonhos
ou nas nuvens.
Ser do espaço flutuante
ou saber onde pisar.
Na terra.
Nessa vida.
Nesses dias que amanhecem para que encontremos nosso resignificar.

Pensamentos

No dia que aprendermos a valorizar os professores, seremos uma sociedade de degraus a subir e não de ladeiras a descer.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Transforme

Isto, me dê o seu melhor brilho no olhar.
Seja a mudança que você quer implantar.
Amanheça seus planos.
Beba seus sonhos.
E corra, corra para conquistar ao invés de ficar hirta a pensar.
Largue o passado.
Leve o presente e o aprendizado.
E transforme o abstrato em concreto, sombras em luz estelar.