domingo, 28 de junho de 2009

Olho Mágico



Pelo olho mágico eu vi um universo numa caixa de música.
Era tão pequeno que eu podia guardá-lo no bolso.
Por alguns segundos me senti Deus,
e flutuei.

Desprendi-me do finito.
Esqueci-me de qualquer mito,
pois achava que naquele momento o mito era eu.

Pela primeira vez eu não tive medo.
Livrei-me do desassossego.
E com meu raio aterrador,
mirei a rotina...

A campainha toca enquanto eu abro os olhos, devagar.
Será que foi só um sonho?


9 comentários:

  1. Até eu estou me perguntando se foi um sonho,pois ao ler,por um instante,vivenciei.. Sonho ou realidade? =D

    ResponderExcluir
  2. O sonho e a realidade se misturam.
    Muitas vezes nem sabemos onde realmente estamos.
    Por isso nos perdemos...

    Obrigado Anônimo e Yasmin pelos comentários!

    :)

    ResponderExcluir
  3. Isso me lembrou um velho provérbio chinês, em que um homem olha para uma formiga e pensa o quanto ele é grande, e, depois, olha para o céu e visualiza o universo e pensa quanto ele é pequeno.

    Um grande abraço,
    Átila Siqueira.

    ResponderExcluir
  4. Duvido muito.

    Acho provável que tenha sido tudo verdade. De maneira que, infelizmente, estar aqui te causa esse tipo de questionamento. Porque não é comum... DAQUI.

    Cheiros!

    http://espelhoinverso.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Eu li isso no livro do Carl Sagan, "Bilhões e Bilhões".
    Ele fazia a mesma comparação.
    Interessante.

    Agora é mesmo.
    Vivenciamos tal sensação todos os dias.
    Só não nos apercebemos como ela é tão comum.

    Obrigado pelos comentários!

    ResponderExcluir
  6. O ritmo da respiração se altera para admitir um suspiro de emoção à sintonia do encontro - escritor e leitor, - através da poesia...

    ResponderExcluir
  7. medo é relativo.
    você o vê de uma forma, quando está do lado de cá do olho mágico.
    eu vejo de forma diferente, quando estou do lado de lá.

    pense nisso.

    ResponderExcluir
  8. Obrigado pela boa dose de filosofia nos comentários.

    Espero que voltem, Sandra e Tarciso.

    Um abraço!

    ResponderExcluir