domingo, 6 de março de 2011

Indomável, o sentimento

Bebo delírios poéticos, apenas.
Sou daqueles com a alma que envenena
O torpor das manhãs de névoa.
A prosa não escrita.
A nuvem que impede o sol de aparecer.

2 comentários:

  1. Olá Vandré, legal o poema, aproveitei e li outros pra compensar o tempo que fiquei afastado da blogesfera. Bom, te agradeço o comentário deixado na minha acanhada Narroterapia.
    Abraços.

    PS:Aproveito pra avisar que a acanhada Narroterapia foi atualizada por mim.

    É o 3º capítulo da saga Autópsia de uma Corneada.

    Te espero por lá com seus comentários.

    http://narroterapia.blogspot.com/2011/03/autopsia-de-uma-corneada-iii.html

    ResponderExcluir