domingo, 17 de novembro de 2013

Da vaidade e seus pormenores

Encham o meu ego.
Eu sou vaidade.
Posso ser balão,
posso ser maldade.

Na estrada, derrubo os que não prezo.
E os que prezo, deixo vivos por conveniência.

Ontem matei uma virtude.
Derrubei um homem são.
Ceguei um ser carregado de paixão.

E assim me faço,
enterrando passados que não são meus,
esbravejando a cultura do desconexo,
para eu poder imperar no meu reino dos fariseus.

Um comentário: