quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Desassossego

Dos malogros aprendi que com a dor o ser humano teme o porvir. Receia abrir a porta, lançar o olhar para a luz que está lá fora. Caído, pensa em trevas, em tristezas. Perdido em desassossegos. A esperança se trancafia no lado escuro do pensamento. Morre um dia. Morre o ser. Para nascer de novo no amanhecer. Como fênix.

Um comentário: