domingo, 24 de novembro de 2013

O palhaço do circo sozinho

O palhaço anda sem rumo.
Seu circo tem lona furada.
Ele não quer pegar a estrada,
deixar o seu lugar.
Tem que construir,
tem que operar.
Fazer sorrir,
sumir com o chorar.
Há uma lenda que o palhaço assopra a tempestade.
Abraça o sol com vaidade,
mas se queima ao tentar.
Quantas vidas se perdem.
Quantos sorrisos se esvaem como a areia na ampulheta.
E ainda sim o palhaço dá pirueta,
canta, sem saber cantar.
É que tem mania de achar que seu nariz aponta o norte,
mesmo que o coração queira ficar.

Um comentário: