segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Reconstrução

Ontem catei do lixo o passado, botei uma tela na parede, colei o que não estava quebrado. Pintei de qualquer cor. Não sei se da tonalidade do céu ou do amor. A vista turva, mas ao presente não se curva. Não deito os olhos, não obstante a modorra queira sentir o gosto da terra. Por horas eu tenho o coração em guerra, mas em momentos enfrento a calmaria de um mar sem ondas. Eu quero sair da ilha, construir a ponte para qualquer lugar. Reconstruir a minha casa no monte. Observar do alto a vida passar.

Um comentário: