quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Voltas

A ventania me mantém com vontade de caminhar.
Olho para o céu, 
temo apenas o sol,
o calor do amar.
Tantas estrelas e eu sem luz,
no palco,
na praça,
vibrando sem raça,
sem garra para continuar.
Renascer,
apagar e reescrever,
mesmo que em linhas tortas.
Mundo, por que tantas voltas?
Deixe que os meus pés trilhem o destino que o meu cenho apontar.

3 comentários: