segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Poesia, espaço e etc.

O Poeta parou e olhou para o céu.
Vislumbrou todas as estrelas cor de mel
E desejou que não existisse mais o fel
Quem dera ele pudesse dedilhar o espaço.
Escrever sem descompassos.
Montar constelações com a ponta da caneta de pena...

Um comentário:

  1. Quem dera captar toda essa poesia sideral.

    Beijo!

    ResponderExcluir