segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Marinheiro

Sei que teus olhos são estrelas.
Tocar tua pele, é como ir ao céu.
E eu quero parar no ar.
Planar, quem sabe.
Hoje, amanhã e num futuro...
Aonde o sol continue brilhando.
Nosso caminho trilhando por doces campos.
Inconsciência não mais.
Eu lancei a âncora, achei o meu lugar...

7 comentários:

  1. Márcio!

    Belo demais! Lançar a âncora é o primeiro passo.

    Parabéns!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Agora é só navegar, mergulhamar...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Oxalá que o cais de um porto qualquer seja a âncora da beleza que se ama.
    Jorge Manuel Brasil Mesquita
    Lisboa, 30/11/2010

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. "Será que, à medida que você vai vivendo, andando, viajando, vai ficando cada vez mais estrangeiro? Deve haver um porto." - Caio Fernando Abreu.

    Teu poema mais lindo :P

    ResponderExcluir