quinta-feira, 22 de julho de 2010

Lacrimal

Eu não sou bom.
Minhas lágrimas são de pó do espaço.
Pretensões nebulosas.
De repente o futuro não é mais esperado.
Quero tempos pretéritos.
Sorrisos que traziam a energia solar.

Hoje só nuvens.
Martírios pedem esmola nas ruas.
Esperanças se drogam na esquina.
Prostituiram a alegria.
Foi uma senhora fria que a levou.
Deixaram-me a loucura.
A candura já vi partir.

Armas sem poder de fogo.

Fogo que queima florestas inteiras.

6 comentários:

  1. Lindo texto, Márcio, e você é tão bom quanto imagina, pois a candura não partiu, está em você!

    Um beijo!!!

    ResponderExcluir
  2. nebulosos versos escrevo neste momento. Coincidência.

    Versos frios os teus, apesar do fogo.

    ResponderExcluir
  3. "Prostituiram a alegria.
    Foi uma senhora fria que a levou."

    Isso é tão, estranhamente, familiar.

    ResponderExcluir
  4. A candura continua dentro da gente. Sempre!

    ResponderExcluir