quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Construção

Eu levei as gotas de chuva para chover no meu sertão. Árido de paixão e de esperança.
Quero que as carcaças desintegrem e virem adubo para o verde tímido.
A fruta mais doce, no final, será a minha.
Eu plantei a semente, diáfana menina.
E olho agora para onde teu olhar aponta.
Horizonte que desponta.
Imenso pôr-do-sol que incendeia o céu.
Douradas nuvens, banhem cá o meu viver.
Espero ver a felicidade aparecer.
Achando sorrisos perdidos dentro de um coração.

8 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Bonito, forte, dorido.

    Ressecou-me e umedeceu-me ao mesmo tempo.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Faço minhas as palavras da Lara Amaral.

    ResponderExcluir
  4. Abraço, compadre. Valeu o comentário: especialíssimo.

    ResponderExcluir
  5. Nem toda onda é certa. Nem toda obra é fidedigna. Mas continuo a surfar nas intenções incertas.

    Abs meu caro!

    ResponderExcluir
  6. Olá

    Belo blog...

    Sorrisos os quais espero que encontrem o teu sorriso...E que seja contínuo ainda que apenas pela lembrança da flicidade passada...

    Obrigada or ler meu blog.
    E,inevitavelmente,seguindo!

    Beijos!

    ResponderExcluir