quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Política

Eu cansei dos ratos.
Dos velhos mascarados.
Dos invólucros.
Existem seres que não pensam.
Vaidades que não cabem em um só corpo.
Poder que estremece.

Parto agora para uma luta sã,
muito embora os gritos praguejem que o esforço será em vão.

Vã é a falsa felicidade.
Vã é a valsa dançada por um só individuo.
Eu quero ver a dança.
A música.
Quero ver plantas esverdearem uma colina.
Esperança.

A apatia estará na lembrança.
A partir de agora, bonança.
Para longe as tempestades.

Queria eu poder transcender o pensamento para a realidade.

5 comentários:

  1. Acabar com tudo o que é vão e vil.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Márcio,
    Transcendeste, poeta...
    Valha Vandré...

    Abraço poético,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  3. A realidade não se limita. Nem o ser em discussão se abstrai. Viva a guerra humana indigna!

    Abs meu caro.

    ResponderExcluir
  4. Eu também queria muito fazer isso...

    ResponderExcluir