terça-feira, 24 de agosto de 2010

Roçado

Despedacei sonhos pensando que fossem pétalas.
Hoje a terra está seca.
A água foge com medo de evaporar.
O sangue esquenta.
A esperança não tem do que se alimentar.

7 comentários:

  1. Bem-me-quer, mal-me-quer...

    Lindo poema,
    apesar de tamanha tristeza.

    Beijo,
    Doce de Lira

    ResponderExcluir
  2. Lindo, lindo... às vezes a esperança parece ser a primeira a morrer e não a última como diz o velho ditado, mas com calma e perseverança, ela demora mesmo pra morrer... beijo, beijo!
    She

    ResponderExcluir
  3. Falta-nos, muitas vezes, cuidado com nossa parte genuína.

    Beijinho, poeta.

    ResponderExcluir
  4. Sangue quente é um bom sinal, sinal de vida e eu ainda prefiro pensar que a esperança insiste em permanecer viva!

    Um beijo, Márcio!

    ResponderExcluir
  5. triste poema, mas o nariz vermelho voltou :) pra alegrar

    beijo

    ResponderExcluir
  6. Quando o sangue esquenta significa momentos de tormenta. Momentos de instabilidade emocional, e isso não é legal.
    Daniel

    ResponderExcluir