sexta-feira, 4 de junho de 2010

Reticências

Porque a vida é um assopro.
Logo, ela se une ao vento.
E some.
Some sem deixar vestígios...

5 comentários:

  1. Mas...
    Nas reticências estão compreendidas as palavras não ditas que, na verdade, dizem muitas coisas...

    Um beijo!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro quando escreves assim, a favor do acaso e do vento...
    Ah! O vento... Esses dias ao acaso, um boné caiu em minhas mãos. O vento o ergueu de algum lugar e o trouxe prá mim. O porque daquele acaso eu não sei, mas foram como reticências sumindo de um lugar e reaparecendo em outro.

    Teu poema me fez lembrar das coisas que somem...

    beijos

    ResponderExcluir
  3. Talvez ela não deixe vestígios por ela própria mas a gente infere a existência por tudo que fica depois do que se vai.

    Um beijo

    ResponderExcluir